domingo, 28 de abril de 2013

* Voltámos !*

Tudo o que é bom tem um fim e as minhas férias não fugiram à regra, passaram num abrir e fechar de olhos! Foi uma semana muito bem aproveitada para o descanso e o "fare niente". Não fomos para nenhum destino em especial, apenas aproveitamos a vinda dos meus pais a Portugal para ir para casa deles e eles puderem aproveitar ao máximo a companhia de baby R. que já não viam desde os 4 meses.
E tenho de admitir que o facto de voltar à casa onde passei muitos dos meus verões transmitiu-me a paz e serenidade que me estava a faltar...
O tempo também ajudou e bastante! Verdadeiros dias de Verão, simplesmente perfeito...
Acordar de manhã cedinho e sentir aquele cheiro a maresia e mais tarde a ervas do campo, ouvir o chilrear das andorinhas, o canto do cucu e o cri-cri dos grilos e acabar com o coaxar das rãs à noite foram apenas a cereja no topo do bolo...
Baby R. usou e abusou do mimo dos avós e conheceu a Kika pela qual nutriu logo uma afeição especial, recebendo-a sempre com gritinhos e sorrisos e ávido de lhe por as mãos em cima. Foi muito giro de se ver!
Aproveitou também o bom tempo para brincar ao ar livre que curiosamente tinha um efeito soporífico nele :)
O pequeno senão é que desta vez não levamos nem a cadeirinha da papa nem o baloiço dele e isso fez com que se aproveitasse e pedisse sempre colo. Não é por nada mas acho que estamos ligeiramente tramados porque agora não quer outra coisa... Isso e estar de pé aos saltinhos.
Concluindo: estas foram férias no campo, venham as próximas na praia! Rápido please!!

As fotos ficam para amanhã ;)

quarta-feira, 17 de abril de 2013

*Férias*

Sim, estamos de férias desde segunda e não podia ter escolhido melhor data para tal. Este dias solarengos com sabor autentico a verão e a presença dos meus pais aquecem-me a alma e deixam-me verdadeiramente feliz. Sempre que vou para casa deles, sinto-me voltar atras no tempo e sabe-me bem. Estou a recarregar baterias e era mesmo o que precisava.
Esta semana poderei não estar tão presente mas é por um optimo motivo :)

(imagem retirada da Internet)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

*A crise dos 7 anos*

Foi amor à primeira vista. Conhecemo-nos através da net e não consegui resistir ao teu charme. Sempre nos demos bem, eras tudo o que eu podia desejar, eu tratava-te bem, dava-te valor e tu devolvias-me esse carinho não pondo problemas entre nós...
Ao longo da nossa relação de quase 7 anos, nunca te traí nem nunca cobicei outro senão tu. Mas parece que a crise dos 7 anos existe mesmo... De repente deixas-me a falar sozinha, desligando-te friamente, sem mais nem menos. Nem um aviso sequer... Fico a olhar para ti, estática... Achas que mereço depois de tudo o que vivemos juntos? 
Não me deixas outra alternativa... Vou-te deixar!

(imagem retirada da Internet)

quarta-feira, 10 de abril de 2013

*Ainda mal abria os olhos...*

...e já era isto... :)
Eu avisei que éramos ferrenhos...


*Futebol:quando dois ferrenhos de clubes opostos se casam*

É claro que só podia dar um cocktail explosivo!!! 

O meu marido é doente pelo Sport Lisboa e Benfica. Não é daqueles que vai religiosamente ao estádio ver os jogos mas acredito que se não fossem os 400 km que nos separam do Estádio da Luz, era provável que não resistisse muitas vezes à tentação... É daqueles que tem aquela musiquinha irritante "Ninguém pára o Benfica" como waiting ring, obrigando todos a ouvir quer queiram, quer não... É daqueles que tem a Sport Tv em casa só porque gosta de assistir a todos os jogos do dito "Glorioso" "sossegadinho", monopolizando a televisão em detrimento dos demais. É daqueles que tem um cachecol antitripeiro só para me irritar... É daqueles que tem equipamento oficial do clube e até cartão de sócio...

Eu, pelo contrário, sou e respiro Futebol Clube do Porto mas admito que já fui mais ferrenha. Quando tinha os meus vinte e poucos, aï de quem se metesse com o meu lado portista, levava logo resposta na certa! Os homens achavam piada ao meu "fanatismo" pensando que só era do Porto por ser, porque ganhava. Ainda me lembro de um que me desafiou a citar os nomes de todos os jogadores que compunham a equipa do Porto naquela altura. Deu-se mal porque quando viu que os tinha a todos na ponta da língua teve de se calar e ponto. Por essas e por outras, a partir daí passaram a respeitar-me mais futebolisticamente falando, se assim se pode dizer.
Durante uns anitos, comprei, li, sublinhei e guardei os jornais desportivos quando enalteciam as vitórias do Porto. Ainda tenho pastas de arquivo com essa tralha toda em casa dos meus pais. A minha mãe, ao ver aquilo, temia que eu ficasse mesmo doente da bola e me transformasse numa dessas fanáticas de claques. Coitada da minha mãe, achei graça quando ela me contou mais tarde esses receios. 
Era e sou Porto sim mas com limites. Se perde e merece perder, admito e pronto. Custa-me muito (terrivelmente) mas admito. Não tenho palas nos olhos como muita gente do meu clube ou de outros.
A razão pela qual guardava um arquivo azul e branco era porque queria mostrar um dia mais tarde aos meus filhos a história e feitos desse clube, o orgulho que sentia. Mostrar que há bem pouco tempo ganhámos a Liga Europa com Mourinho assim como a Liga dos Campeões. Que soubemos mostrar aos grandes da Europa que nós,  portugueses, também devíamos ser temidos e consequentemente merecíamos respeito. Que soubemos impor-nos frente ao Manchester United em 2003/2004, eliminando-o no último minuto com um golo de Costinha quando já ninguém acreditava que pudessemos passar à fase seguinte. O que eu vibrei com essa vitória!
Hoje em dia, já não sou tão vidrada, isto é, já não me importo se não vir os jogos. Mas o resultado continua a ser crucial. Se o Porto perde pontos, como ultimamente, é meio caminho andado para eu ficar aziada. Sobretudo se o Benfica se encontra à nossa frente. É que não suporto que façam a festa à nossa custa... É um odiozinho de estimação se assim se pode dizer. E com isso, lá vêm logo as "picadinhas e farpinhas" mandadas pelos benfiquistas que também não costumam nutrir um grande amor pelo Porto.
Eu até aguento bem  as "boquinhas" mandadas pelas outras pessoas, podem irritar mas não me atingem. Agora quando se trata de uma "boca" mandada pelo meu marido, alto aí e pára o baile!! Esse sim já mexe comigo e consegue-me fazer ferver em pouca água!! Nem imaginam o teatro cá em casa. Os nossos amigos acham-nos piada porque, basicamente, eu sou a versão dele portista e ele é a minha versão benfiquista. Ou seja quando começamos é difícil calar-nos.
Ainda nós namorávamos já eu lhe dizia que uma das coisas que me iria dar muito gosto de ver é o ou a filha dele a dizer-lhe que era do Porto e não do Benfica. Neste caso, baby R. Ele, obviamente, dizia exactamente a mesma coisa mas ao contrário. E as pessoas ao nosso redor diziam que não devíamos pressionar os nossos filhos e deixá-los escolher por eles próprios. Pois, tá bem!
Não sei como vai ser quando baby R. já se aperceber das coisas mas cá para mim, o mais certo é ser do Sporting só para nos chatear e calar aos dois! :)

(imagem retirada da Internet)

sexta-feira, 5 de abril de 2013

*8 mesinhos!*

Parabéns meu bebé...

*Selinho Campanha Incentivo à Leitura*

A mamã Xana do blog "123...Vou nascer outra vez" ofereceu-me este selinho. Obrigada!



As regras são as seguintes:
- Referir quem nos indicou
- Escolher 10 blogs a quem passar este selinho
- É expressamente proibido levar o selo sem convite
- Responder à pergunta: Que livro indicarias para alguém ler?

A minha escolha respeitante aos blogs é que quem me ler e assim o desejar, pode ficar com o selinho que eu ofereço ;)

Leitora compulsiva que sou, era capaz de recomendar 1001 livros daí que a escolha não seja fácil...
Já li imensos livros bons mas houve dois que me tocaram ao ponto de chegar ao fim do livro e verter umas lágrimas. Parece tontice mas a história era de tal maneira forte e arrebatadora que aconteceu, para grande surpresa minha que nem sou dessas coisas. Portanto não poderia deixar de recomendar:

  • As palavras que nunca te direi - Nicholas Sparks
          Não sou muito de ler histórias de amor mas este vale mesmo a pena. Nada a ver com o filme...


  • Para a minha irmã - Jodi Picoult

         Esta escritora gosta de tratar de assuntos polémicos e este é mesmo muito muito. Ao ponto de não se saber que partido tomar. E o fim? Muito surpreendente. Também nada a ver com o filme...


quinta-feira, 4 de abril de 2013

Não pude aproveitar a Páscoa. Nem aproveitar o significado do dia em si, nem a família. Tive pena. Entrei em piloto automático e praticamente só me dediquei ao trabalho que foi bastante. 
Perdi instantes preciosos. Instantes que também gostava de ter partilhado com o meu filho na sua primeira Páscoa. Instantes que outros viram e viveram e eu não.
Não é nenhum drama, eu sei, mas o que me preocupa é o facto de saber que haverá muito mais dias como estes últimos que passaram...

Enfim...

O dia pedia docinhos e Baby R. teve direito a um coelhinho de chocolate para brincar (o que este coelho sofreu!) e brindou-me com um postal e uma bolsinha  cheia de chocolates! Só mimos!