sexta-feira, 30 de novembro de 2012

*A escolha do carrinho para bebé*

Esta foi para mim a parte mais chata no que disse respeito às comprinhas para baby R. Perdi muitas vezes a coragem porque a escolha e a oferta eram tantas que nem sabia por onde começar.
Cada carrinho possuía as suas características mas quais delas é que eram mesmo necessárias para assegurar a segurança do bebé por exemplo? Não fazia a mínima ideia...
Até que li um artigo da Deco Proteste acerca desse assunto e fiquei mais esclarecida.
Comecei a minha pesquisa e após muitas e muitas horas perdidas a olhar para as características e os preços!!, optei pelo Loola Up da Bebé Confort. Até ao momento ainda não me arrependi da minha escolha.

  1. É de facto fácil de abrir e fechar graças a um sistema de fecho 3D. (nem fazia ideia que isso existisse!)
  2. Não sei se é pesado comparado com outros carrinhos porque não cheguei a experimentar mais nenhum mas posso dizer que com os meus 50kg de gente posso bem com ele e tem uma pega que permite transportá-lo de um lado para o outro quando está dobrado. Facilita bastante.
  3. Não ocupa assim tanto espaço na mala do carro mas suponho que depende de carro para carro.
  4. Tem um único punho ajustável em altura para adaptar-se à estatura dos pais. Isso diferencia-o do modelo Loola e é bem mais prático. Com uma só mão posso passear baby R.
  5. O tecido é bastante alcochoado e não se notam os ferros da estrutura o que é óptimo para o bebé não correr o risco de se magoar e sentir-se confortável..
  6. Permite-me pôr a cadeira virada para mim ou para a estrada quando for maiorzinho e quiser ver a paisagem.
  7. Tem amortecedores!! Achei imensa piada a esta característica  Tem uma posição mais macia para os recém-nascidos e uma posição mais dura para quando o bebé crescer.
  8. Tem um comando Módulo Drive. O que é isto? Permite pôr as rodas fixas ou pivotantes muito facilmente.
  9. E finalmente as capas são fáceis de tirar e lavar.
  10. Além disto tudo ainda traz uma capota para o sol e uma capa de chuva.
  11. A meu ver só tem um pequeno senão mas também é devido à famosa calçada portuguesa, os paralelos!! Treme um bocadinho demais para o meu gosto mas enfim.
O preço em Portugal não me agradou nada de nada. Cerca de 350€ quando andava à procura. Por isso decidi virar-me para sites como o Amazon e foi a minha sorte. Foi quando descobri "o tal" por cerca de 291€. E sem custos de portes! Grande diferença!! Nunca tinha encomendado nada na Amazon e daí estar um pouco receosa ao inicio mas não me arrependi nada, foram bastante rápidos na entrega e vinha tudo conforme. E pronto poupei imenso!!!

Aqui está a minha escolha, o Loola Up Denim Field! Tentei escolher um modelo unisexo, nunca se sabe um dia mais tarde...
(imagem retirada da Internet)

*Babymoov Saco Baby Chic*

Não foi fácil encontrar o saco dos meus sonhos. Sendo este um saco que me iria seguir para todo o lado tipo a minha sombra, tinha que ser um saco que me enchesse a vista. E mais uma vez, após muuuuuita pesquisa, encontrei a minha paixão, aquele que me roubou o coração, o Babymoov Baby Chic!
  1. O que me saltou logo à vista foi o design, claro. É lindo de morrer e fico babada de cada vez que me dizem que ele é muito giro para um simples saco de mudas. Bem sei que não é o mais importante mas também conta! As medidas são 27x36x20. 
  2. Tem imensa arrumação, bolsos e compartimentos,  essencial para um saco destes! Aliás nunca pensei que seriam precisas tantas coisas para um ser tão pequenino! Chega a ser impressionante...
  3. É fácil de limpar, tem um revestimento em poliéster e PVC. 
  4. Tem um fecho metálico com íman que nos permite abrir e fechar o saco só com uma mão se for necessário. Não parece assim à primeira vista mas quando estou sozinha e tenho baby R. ao colo, dá imenso jeito!
  5. Dá para transportar a tiracolo (alça forrada regulável), na mão com pegas e também pode ser fixo no carrinho de bebé graças aos cordões reguláveis.
  6. Muito importante, o saco inclui também:
  • 1 muda fraldas amovível (55x45)
  • 1 bolsa isotérmica para biberão amovivél 
  • 1 bolsa para a roupa suja ou fralda suja
  • 1 bolsa para a chupeta amovivél 
  • 1 manta polar
O único ponto negativo que lhe tenho a apontar é o preço. O mais barato que consegui encontrar, em Portugal, foi 55 euros. Custa um pouco a dar em comparação com outros sacos de muda mas acho que vale o investimento e muito. Vai me acompanhar para todo o lado durante uns tempinhos e, como já vem com todos os acessórios, já não tive de comprar mais nada.
Em duas palavras, prático e elegante!


(imagens retiradas da Internet)

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

*O que li durante e após a gravidez*

Sempre adorei ler e claro que quando descobri que estava grávida de baby R., os meus temas de leitura passaram a ser a gravidez em si e tudo o que dizia respeito ao bebé depois de nascer .
Para acabar com a curiosidade que tinha sobre esses assuntos, comprei os livros que seguem mais abaixo.

  • "A sua gravidez dia a dia" - Dr.ª Maggie Blott
     Este livro é um guia diário completo que abrange as 40 semanas de gravidez. Para além de conter conselhos detalhados de peritos sobre questões, preocupações e complicações na gravidez, também explica tudo sobre o alívio da dor e tipos de parto; informa sobre o que esperar nas primeiras horas após o parto e dá orientações para que os novos pais se adaptem à vida com o bebé..
Para além de tudo isto, este livro tem mais de 1000 imagens que mostram o bebé a desenvolver-se no útero e está perfeitamente adaptado à realidade portuguesa, com estatísticas nacionais e leis que regulamentam os direitos e deveres da mulher grávida.
Se alguém estiver interessado, está à venda e está como novo.

(imagem retirada da Internet)
  • "Livre de bord de la future maman" - Marie-Claude Delahaye
      Para quem viveu como eu em França ou de alguma forma esteja ligada à língua francesa, achei este livro bastante completo apesar de não ter fotos e de ter um formato livro de bolso. Muito em conta (à volta dos 6€), é bastante completo. Retrata semana após semana a evolução do bebé além de dar muitas dicas à futura mamã. Muito bom!

(imagem retirada da Internet)
  • "Socorro! sou mãe...como resistir com alegria ao primeiro mês de vida do bebé" - Rita Ferro Alvim
      O título chamou logo a minha atenção. De facto já tinha ouvido falar muita coisa acerca do primeiro mês de vida do bebé e confirma-se, é mesmo complicado!!! 
Mas tenho de admitir que este livro me foi bastante útil e esclarecedor sobretudo no que diz respeito ao tema da amamentação (a famosa "subida do leite" que me metia tanto medo) entre outros assuntos. O fato de ter sido escrito por uma mamã doce como a Rita Ferro Alvim também ajuda...

(imagem retirada da Internet)
  • "O grande livro do bebé" - Mário Cordeiro
     "O nascimento de um filho é um momento único na vida dos pais. Chegados a casa, inicia-se uma fantástica aventura onde todas as horas, noites, dias, semanas, meses, contam. O primeiro ano de vida é longo, repleto de dúvidas, perguntas, inquietações e momentos críticos. Estes doze meses intensos são fundamentais para a personalidade e o desenvolvimento do vosso filho. Infelizmente, ou felizmente, o vosso bebé não vem com «manual de instruções». O autor foca todas as necessidades fundamentais do bebé – alimentação, sono, desenvolvimento, saúde e conforto – que são objecto de grande preocupação por parte dos pais. – Devo dar de mamar?– Posso dar banho ao meu bebé recém-nascido?– Como combater a febre?– Que alimentos pode comer o meu bebé aos 6 meses?– O meu filho não dorme bem, é normal? O que posso fazer?– O que é melhor para o meu filho, ficar em casa com os avós ou ir para o infantário?"

     Em 3 meses de vida com baby R. já me foi bastante útil, nomeadamente no que diz respeito à maneira de proceder para regular o sono do bebé. Só por isso merece uma vénia! A edição com capa mole sai bastante mais barata do que a edição com capa dura. A diferença está apenas nisso e no facto das fotos estarem a preto e branco.

(imagem retirada da Internet)

*1333 perguntas para fazer ao seu pediatra*

O próximo livro que tenho absolutamente de ter na minha mesinha de cabeceira, "1333 perguntas para fazer ao seu pediatra"!

 "Ter dúvidas é próprio da parentalidade ou não vivamos o ser mãe e o ser pai com amor, afeto, preocupação e interesse. Mais, o crescimento e o percurso de vida da criança revelam-se por questões que, no dia a dia, incomodam, perturbam e causam stresse. Ter filhos também é isso: ganhar cabelos brancos. Mas se pudermos viver o quotidiano com menos ansiedade, viveremos mais felizes e teremos tempo e disponibilidade para investir noutros aspetos mais interessantes deste fantástico fenómeno de sermos mães ou pais. Durante muitos anos fui escutando as questões que os pais me traziam – e fico grato a todos os que o fizeram, porque confiaram em mim – e recebo e-mails e mensagens com perguntas, que para muitas pessoas poderiam ser banais e «comezinhas», mas que ficam a «morder» e prejudicam a tranquilidade da vida diária. Como pai, sei também «na pele» o que isso é. A minha função como pediatra, para lá de promover a saúde das crianças e identificar e prevenir a doença, é ajudar os pais a ter uma parentalidade feliz e gostosa. Neste livro decidi reunir 1333 questões. São muitas. Mas estou certo de que, ao lerem-nas, se identificarão com a maioria delas. Do sono à alimentação, passando pelo crescimento e desenvolvimento, sexualidade, brincar, escola e educação, birras, vacinas, amigos… Bom, já viram que os temas são muitos e que justificam tantas questões. São 1333 perguntas, mas podiam, certamente, ser muitas mais. Mário Cordeiro"

*Calendários personalizados*

Este Natal não porque o orçamento não dá para tudo mas para o ano, esta ideia de calendário com fotos de baby R. parece-me ser uma excelente sugestão de prenda para os avós. Um caso a pensar...

(imagens retiradas da Internet)

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

*Cadeira Polly Magic*

Sou daquelas pessoas que, antes de efectuar qualquer compra, pesquisa e compara tudo e mais alguma coisinha. E então quando se trata de compras de valor significativo, mais ainda. A crise obriga a isso.
Antes de baby R. nascer, já tinha pensado em comprar uma espreguiçadeira de modo a ele poder ficar comigo em qualquer divisão que eu estivesse durante o dia.
Isto porque queria que ele aprendesse logo desde cedinho a diferenciar o dia da noite. Isso evitar-me-ia uma data de constrangimentos no futuro. Portanto a minha ideia era de dia na espreguiçadeira, de noite no berço.
Aquando da minha pesquisa, descobri a Cadeira Polly Magic da Chicco, uma cadeira supostamente muito rentável. Um dois em um: espreguiçadeira e cadeira de papa, carita mas rentável a longo prazo. E devo dizer que me apaixonei logo e foi a escolhida isto porque:

  1. Dá desde o nascimento da criança até aos 3 anos.
  2. Dos 0 aos 6 meses serve de espreguiçadeira, óptimo. Vem com um redutor para o recém-nascido que se mantém deitado. Só tem um senão comparada com outras simples espreguiçadeiras, não mexe. No entanto possui um arco de jogos para o bebé não se aborrecer. E tem a vantagem de ser uma espreguiçadeira "elevada" e não daquelas que ficam no chão.
  3. Dos 6 aos 12 meses, transforma-se em cadeira alta para o bebé comer as primeiras papas. Vem com um tabuleiro que é muito fácil de montar e de desmontar. E sobretudo fácil de limpar!
  4. Dos 12 aos 36 meses, serve como cadeira para o bebé poder estar à mesa com os papás.
  5. Utiliza pouquíssimo espaço depois de dobrada.
  6. A altura é regulável. Possui várias posições. As minhas costas agradecem.
  7. Desmonta-se facilmente e dá para lavar as capas na máquina de lavar a roupa.
  8. É gira! A minha é a Scarlett (vermelho) mas admito que se tivesse tido uma menina teria optado pela roxa que é um must!
(imagens retiradas da Internet)



Outras prendas para este Natal #2*

Os bebés são tão fofinhos que tudo o que tenha a ver com eles só pode sê-lo também.
A seguinte ideia é mais uma prendinha (para nós próprias, porque não?!) que servirá de recordação e ficará lindamente no quarto do bebé por exemplo. Já há algum tempo que tinha pesquisado sobre isto e a ideia ficou em standby. Com uma simples moldura ( no Ikea arranja-se por 5€ molduras com estrutura funda e perfeitas para esta ocasião) e os primeiros pertences do bebé, sejam eles a chucha, a primeira roupinha, a primeira madeixa, os primeiros sapatinhos, etc, fica uma recordação cutxi cutxi para a vida... Haja creatividade!
(imagens retiradas da Internet)

terça-feira, 27 de novembro de 2012

*Tem muito que se lhe diga...*

Comprei há exactamente uma semana, uma lata de leite de 800 gramas e não é que durou apenas isso, uma semana?! 16 euros por semana, é o que vai ser a partir de agora? 70 euros por mês para leite em pó num país onde se ganha o que se vê... Bonito...

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

*Tornar fotos inesquecíveis*

Desde que baby R. nasceu, já perdi a conta à quantidade de fotos que lhe tirei e nunca acho demais. Penso que qualquer mamã pensa como eu e quer um dia mais tarde poder olhar para estas recordações e ficar com a lagrimita no cantinho do olho.
Pois ontem, andava eu a cuscar as aplicações disponíveis no Google Chrome quando reparei num programa chamado "Pic Monkey". Trata-se de um editor de fotografias muito à frente com imensos efeitos e detalhes. E o melhor nisto tudo é que é gratuito e nem precisa de fazer registo. Basta apenas instalar a aplicação e já está!
Qual photoshop, qual quê!! Muito fácil de utilizar, é só ter imaginação!
Dá ou não dá para criar uns ímans fantásticos com isto? Fica a ideia...

sábado, 24 de novembro de 2012

*Outras prendas para este Natal...*

Ímans para o frigorífico com a foto do bebé! Mais barato é impossível!!
Para tal, basta comprar papel magnético (há à venda na Worten ou na Staples por exemplo) e imprimir as fotos preferidas. E já está!
Adoro!

(imagens retiradas da Internet)

*As prendas deste Natal*

Baby R. vai viver o seu primeiro Natal e como bom neto e sobrinho que se preze, também ele vai oferecer a sua prendinha personalizada.
Aqui fica a ideia para as mamãs que se encontram nesta mesma situação: uma tela com as mãozinhas e pézinhos de bebé. Giro, diferente, inesquecível e barato!
Ainda não sei bem qual o esquema que vou utilizar mas ideias não faltam. Depois mostro o resultado final!

(imagens retiradas da Internet)

*Pinguim Pabobo*

Uma luz de presença para o quarto do bebé! Que jeito dá no meu caso, nem imaginam! Acho que foi uma das melhores compras que fiz para baby R. se não a melhor.
Depois de muuuuita pesquisa optei pelo Pinguim Pabobo. Porque é que acho que foi a melhor compra? Simples:
  1. Porque é portátil e isso é muito cómodo para ir ver se baby R. está a dormir, está destapado, etc.. Escuso de ligar a luz e de acordar o bebé ou de ir às escuras e tropeçar algures.
  2. A luz é suave.
  3. Possui uma função musical que no meu caso ajuda baby R. a adormecer ou a acalmar.
  4. Não aquece devido ao sistema de baixa tensão de LED o que o torna muito prático pois pode ficar no berço junto ao bebé sem correr o risco de o queimar ou deitar o fogo ao berço.
  5. É recarregável e tem até 11 horas de autonomia.
  6. É lindo!
  7. Não parte facilmente. Por culpa minha já caiu algumas vezes e nem um risco!
(imagens retiradas da Internet)

*Nota mental #1*

Se tiver outro filho, não volto a comprar uma tonelada de biberons antes dele nascer.
Porque posso vir a ter leite suficiente para amamentá-lo... (foi o caso até aos 3 meses)
Porque pode não gostar de uma marca em específico devido a inúmeras razões (formato da tetina por exemplo) e depois fico com biberons novinhos em folha parados em casa. Eu lá me lembrei dessas coisas!!
Por isso, se alguém aceitar o meu conselho, não façam como eu por mais precavidas que sejam!
Mais vale, na altura certa e caso seja mesmo necessário, comprar um e experimentar.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Com quase 4 mesinhos de vida, baby R. já dorme praticamente 12 horas seguidas por noite. Só acorda às oito da manhã para comer e upa! volta para o berço.
Fomos ontem ao Centro de Saúde porque já não consigo amamentar. De um momento para o outro, na semana passada, o meu leite diminuiu drasticamente e já não consigo deixar baby R. saciado. Tive de introduzir o Leite Artificial. E por isso, decidi falar com a médica a ver o que ela me dizia. Aproveitei e pesámos baby R. e já vai com 6kg070!
Cresce tão rápido o meu bebé...

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

*O Primeiro mês...*

Foi muito, muito, muito complicado. Bem me tinham avisado!!
Levei poucos pontos do parto e eu e baby R. saímos do hospital no dia 06 de Agosto, a seguir ao almoço.
Detesto hospitais. Se eu não sabia até então fiquei a saber: não se descansa nada na Maternidade!!! Nada de nada.
No dia 04 à noite, mal dormi. Ter o meu baby ao meu lado impedia-me de pregar olho. Não me cansava de olhar para ele. E as enfermeiras também não deixavam dormir. Umas chatas! "O bebé mamou há quanto tempo?" "Vá começando a acordá-lo, não pode passar mais de 3 horas sem comer". Blá, blá, blá...
Depois com as visitas, descanso era uma coisa impensável.
E quando finalmente saímos no dia 06, cansados ainda do parto e chegámos os 3 a casa, pensei: "O que vou fazer com este pequeno ser?"
Ter um bebé assusta. Saber que depende inteiramente de nós assusta. Falo por mim. E sendo o primeiro, é tudo uma descoberta. 
Cada bebé tem o seu relógio e não falha quando se trata da hora de comer. No hospital, o pediatra tinha-me dito que o bebé iria mamar de 3 em 3 horas.
Acontece que baby R. era um grande comilão e não estava para esperar tanto tempo. Duas horas no máximo e com sorte!!
Basicamente, passei o mês de Agosto com baby R. pendurado à minha mama. De dia como de noite.
Estava feita num zombi.
Ainda me lembro de embalar baby R. ás três da manhã , andando de um lado para o outro na sala. As refeições com o meu marido eram mentira, impensável. Tomar um simples duche era uma coisa que tinha de programar muito bem.
Foi muito complicado porque naquele momento não se pensa que é uma fase, que isso tudo irá passar. O cansaço não nos deixa raciocinar. E atenção que tive um marido que me ajudou imenso.
Mas com muuuita paciencia, muuuuita ajuda do marido, muuuito amor, tudo se resolve e se ultrapassa.

*O Parto*

O meu parto foi induzido às 38 semanas e 5 dias. Suspeitava-se que o baby R. já estava "madurinho" que cheguasse para vir ao mundo e assim foi. 
No dia 04 de Agosto, pelas 05h da manhã, tomei em casa um comprimido dado pelo obstetra.  A única coisa que ele me disse é que era para adiantar o trabalho de parto. Até porque só me queria no hospital a partir das 08h30 da manhã.
Iria ter logo dores? Eu não fazia a mínima ideia. Estava à espreita de algum sinal de dor ou outra coisa mas nada. Escusado será dizer que não consegui voltar a adormecer. Estava demasiado ansiosa com o que estava para vir.
Às 07 da manhã, ainda estava na cama quando senti um esticão na barriga acompanhado de um "Ploc!". Achei estranho, não se parecia em nada com os pontapés que o baby R. costumava dar mas não fiz caso.
Decidi levantar-me para ir à casa de banho mas, a caminho, senti água a cair-me pernas abaixo involuntariamente. Pois, tinham acabado de me rebentar as águas. Com que então era esta a sensação... Já tinha visto tantas vezes esta cena em filmes e agora era eu a vivê-la! Não pude evitar um sorriso ao pensar nisso.
Contrariamente àquilo que eu achava, não fiquei nada nervosa. Saiu-me um "Ups! Acho que me rebentaram as águas". O nervosismo apoderou-se do meu marido que me apressou, dizendo que tínhamos de ir logo para o hospital. Lá se ia o meu pequeno almoço reforçado!! Vesti-me e lá fomos a caminho do hospital, não sem antes levar uns iogurtes para comer entretanto. 
Ainda não se tinha passado meia hora e já sentia uma pequena sensação de desconforto na barriga. Fiquei a pensar se seriam mesmo contracções. Tão rápido? E tão próximas umas das outras? Não podia ser!
Primeiro de 4 em 4 minutos. Passado pouco tempo, de 3 em 3 minutos.
40 kms mais tarde, chegámos ao hospital e lá dei entrada às 08 h da manhã.
A partir daí foi tudo muito rápido. Enquanto o médico chegava e não, as dores foram-se tornando mais fortes e mais próximas umas das outras. Eu bem tinha levado um livro para ir lendo mas escusado será dizer que o pus logo de parte. 
Como o médico não chegou à hora combinada (08h30), fui levada para o registo. Bem, não sei quanto às outras pessoas, mas no que me diz respeito, deitada ainda doía mais!! Oh se doía!
Estava eu concentrada para não entrar em pánico e rezando já pela alminha do médico, quando este finalmente apareceu passado meia hora.
Fez-me o toque e acontece que no espaço destas duas horas, já tinha 7 cm de dilatação!!! Fiquei parva! Belo corpinho, estava a ir muito bem! A minha pergunta foi logo quando é que poderia levar a epidural!!!!!! Porque já não estava a achar grande graça a isto tudo!
Ao que ele me respondeu que seria logo a seguir. Sosseguei e voltei a concentrar-me na respiração.
Passado pouco tempo lá fui a caminho da sala de partos. Apesar das dores, ninguém se lembrou de me ir buscar uma cadeira de rodas e por isso lá fui agarrada às paredes, parando apenas quando me vinha uma contracção.
Na sala de partos, voltaram-me a deitar e apesar de pensar que a dor era apenas o meu útero a contrair-se, o músculo a fazer o seu trabalho, já não estava a aguentar tão bem. E onde raio parava a anestesista?!!
Por volta das 11h15, administraram-me finalmente a milagrosa epidural que fez efeito passados 5 minutos.
A partir daí, foi uma maravilha. Dores? Quais dores?! Não senti mais nada! Foi tão bem dada que o médico teve de me dar 3 comprimidos para sentir um leve puxão para podermos começar o verdadeiro trabalho de parto.
O trabalho em si deve de ter demorado menos de 10 minutos. Com 3 ou 4 puxões, baby R. nasceu às 13h57 com 3kg500 e 48,5 cm.
Estava um lindo dia de Verão.

*A Gravidez*

Comecei a tentar engravidar em Novembro de 2011. E logo na primeira semana de Dezembro, soube que algo estava diferente. Faltavam ainda uns dias para me vir a  menstruação mas a minha mente estava alerta. Talvez devido também ao nosso famoso sexto sentido comecei a aperceber-me e a dar importância a pequenos detalhes: barriga muito inchada (mais do que o costume), barulhos vindos da mesma como se fossem gases, muita vontade de fazer chichi várias vezes por dia e o constante "feeling" de que estava mesmo grávida. Não sei bem explicar, sentia e pronto!!! Instinto!
Custava-me um bocadinho acreditar no meu corpo até porque sempre ouvi dizer que demora, em média, uns meses até se conseguir engravidar.
Mas tal como suspeitava, não tive menstruação na devida altura e por isso decidi fazer o teste de gravidez passados uns dias. 
Quis fazer o teste sozinha e por isso fiz um dia de manhã (dia 13 de Dezembro) antes de ir trabalhar. Estava eu na casa de banho à espera do resultado, com o teste posado no chão à minha frente. Supostamente tinha de se esperar 5 minutos mas acho que nem isso esperei. Decidi olhar para ele e lá estavam as 2 barrinhas cor de rosa...
Minha primeira reacção? "Oh my God! Estou mesmo grávida! E agora?!!!" Confesso que me assustou apesar de que era uma gravidez planeada. Uma coisa é pensar engravidar, outra é estar de facto grávida! A partir daí deixou de ser ficção e passou a ser uma realidade! A minha vida e a do meu marido ia mudar para sempre! Logo a seguir fiquei felicíssima e a olhar estupidamente para a minha barriga, pensando na pequena vida que se estava a desenvolver nela.
Tive uma gravidez santa. Nada dos típicos sintomas (enjoos, cansaço, falta de apetite, etc). Só houve uma vez em que, após fazer um creme de marisco, me senti mal com o cheiro do mesmo e vomitei. De resto, nada de nada.
Dizem que uma grávida que não sofra uma queda não é uma grávida de verdade e eu não podia fugir à regra. Aos 5 meses de gravidez, apanhei um susto em casa e caí de frente mas não aconteceu nada de grave. Foi mais o susto que outra coisa. Felizmente.
Com 7 meses de gravidez, fiquei com o pé e o tornozelo direito super inchados e manteve-se assim até 1 mês depois do baby R. ter nascido. Parecia a pata de um elefante!
Apenas na última semana antes do parto é que me senti mesmo inchada devido à retenção de líquidos.
Esta gravidez passou-se tão bem que duvido que volte a ter outra assim. Isto se decidir dar um mano ou uma mana a baby R.
Por enquanto, está fora de questão. Quero aproveitar o meu baby R. ao máximo. Um dia mais tarde, logo se verá!

terça-feira, 13 de novembro de 2012

*Este blogue existe porque...*

...Uma nova vida a 3 começou para nós no dia 04 de Agosto de 2012. 
Nesse dia tornei-me mãe do baby R. 
Nesse dia a minha vida passou a ter outro sentido, outro valor, outras prioridades. Desde então já lá vão mais de 3 meses e a cada dia que passa, aprendo mais uma coisa.
Este blogue é apenas o registo desses dias e dos que estão para vir, das alegrias, das descobertas, da aprendizagem, das tristezas, das preocupações, das angústias que fazem parte do nosso quotidiano de "recém papás". 
É um registo para recordar mais tarde e talvez outros papás se identifiquem com ele, assim como eu me revejo por vezes noutros blogues do mesmo género.
Portanto:
"Keep calm tivemos um baby"!